Colégio Integral

Acontece

18 de maio de 2021

Aulas de Literatura

Nas aulas de Literatura, após estudarem o Romantismo e a representação da identidade e do indígena no Brasil atual, sob a orientação da professora Letícia, os alunos da 3ª série do Ensino Médio fizeram suas versões do famoso poema “Canção do Exílio”, de Gonçalves Dias. O resultado foi surpreendente! Confira algumas das produções:

1.

2.

Na minha terra tinha palmeiras

Onde cantava o sabiá

Seria um prenúncio

Ou um pedido de ajuda, não sei:

Não dá mais tempo de perguntar

Os galhos quebravam sob nossos pés

O mico-leão dourado nos espiava, sem sucesso

Atrás de folhas verdes com a metade do seu tamanho

Tamanduá-bandeira tanto tempo tentando nos acompanhar,

nenhuma bandeira a meio mastro no cessar

dos cantos, do assobiar

Não mais estrelas: o fogo mora ao lado

As flores não crescem em solo queimado

Nos bosques recortes da vida, o fardo

De fugir ou faltar 

Quero ouvir de novo o sabiá cantar

Mas não hoje

Se não eles vão descobrir 

Onde ele está

Clara Stein

3.

 Canção do índio 

 Minha terra tem indígenas 

 Tem também Tupinambás

 Nas tribos em que vivem 

 São acostumados a caçar

 Seus direitos e costumes 

 Seus hábitos e decisões 

 Não vieram do além

 E sim de gerações 

Arthur Monteiro Prado

4.

Nossa terra tem plágios de lá a cá…

com nosso complexo de vira-lata, onde vamos chegar?

Nós idolatramos os Estados Unidos até onde se dá pra imaginar

Se para nós o certo é copiar, onde vamos chegar?

Nosso país prega ordem e progresso

no centro da bandeira

mas com tanta fumaça mal dá pra ver estrelas

a Amazônia tem mais flores, mas matamos tudo

com as queimadas, acaba-se o nosso mundo!

Rodrigo Sehli