Colégio Integral

Acontece

18 de agosto de 2020

Programa Teia Agroecológica

            A história da agricultura nacional foi marcada pela exploração desenfreada dos recursos naturais. A perda drástica da biodiversidade devido ao plantio em grandes monoculturas, desestabilizou todo ecossistema, tornando os ecossistemas agrícolas muito dependentes de insumos para garantir altas produtividades. O resultado desse modelo de produção é o excesso no consumo de agrotóxicos e fertilizantes sintéticos, além do uso de combustível fóssil.

            Esse modelo de agricultura, voltado apenas para alta produtividade, é um risco para nossa segurança alimentar. O consumo de agrotóxicos no Paraná já chega a 9 litros por habitante, com 15,3 % dos alimentos com alto resíduo de agrotóxicos (ADAPAR). Parte dessa problemática é oriunda da cultura consumista, que seleciona os produtos mais bonitos, se preocupando com a estética do alimento e ignorando seu valor nutritivo e ecológico. Isso alimenta ainda mais a necessidade do agricultor em aplicar grandes quantidades de agrotóxicos nas lavouras para atender essa demanda seletiva e dos consumidores.

            Por esse motivo, é necessária mudança no ato de consumir. Ao consumir alimentos produzidos sem agrotóxicos, você melhora a vida do agricultor que se preocupa com o meio ambiente. A agricultura familiar é a agricultura capaz de produzir maior diversidade de alimentos, garantir a cadeia curta de comercialização que garante a soberania alimentar da população. Uma soberania que atualmente está em risco devido a agricultura industrial adotada pela elite agrícola nacional, que transforma o alimento em matéria prima, aumentando lucros mediante à atravessadores, diminuindo a renda dos agricultores.

            Entretanto, os alimentos orgânicos são muito caros, tornando-os acessíveis apenas para famílias com alta renda, o que também põe em risco a soberania alimentar, pois parte da população não possui acesso à alimentos saudáveis e agroecológicos!

          O que fazer para mudar esse quadro e dar mais dignidade para o pequeno agricultor e tornar os alimentos orgânicos acessíveis a toda população?

            É necessário solidariedade nas relações entre campo e cidade. Para isso vários modelos de comércio solidário estão sendo criados. Entre esses modelos, o programa TEIA AGROECOLÓGICA, que une agricultor e consumidores, construindo uma relação de amizade e confiança entre eles.

PROGRAMA TEIA AGROECOLÓGICA

Como funciona?

            O programa tem início com uma palestra que aborda desde a história da agricultura nacional até a importância da alimentação de produtos orgânicos, bem como os perigos da transgenia. Posteriormente, ocorre a explicação do funcionamento do programa como um todo. As pessoas interessadas deixarão o nome para que seja feita uma segunda reunião com o agricultor, onde será definido o tamanho e valor da sacola.

Regras gerais

Sacolas – as sacolas são iguais para todos os consumidores e terão produtos variados todas as semanas. Os produtos serão todos da época e da produção do próprio agricultor. Isso irá proporcionar uma experiência diferente para os consumidores, pois fará os mesmos perceber a sazonalidade de produção. A diversidade de produtos que farão parte das sacolas será decidida previamente em uma conversa com o agricultor.

Pagamento – Este será feito adiantado para garantir renda ao agricultor, uma vez por mês. Esse pagamento adiantado faz com que o agricultor planeje melhor sua produção evitando desperdício.

Entrega – A entrega das sacolas será uma vez por semana. É um momento de conversa e de tirar dúvidas com o agricultor, reclamações e sugestões pois a ideia é o grupo se autogerir. Se por acaso a alface vier queimada devido à geada, por exemplo, o agricultor avisará a todos, porém em uma próxima oportunidade deverá compensar com uma cesta maior. Isso força os consumidores e o agricultor dividirem os riscos de produção.

Entrada – Para o consumidor entrar no projeto deverá assistir às palestras e verificar se o agricultor poderá atender à nova demanda, se o agricultor não puder atende-lo o consumidor deverá esperar (lista de espera).

Saída – No caso de um consumidor sair deverá avisar com um mês de antecedência e preferencialmente encontrar um novo consumidor para substituí-lo.

Férias – O Agricultor não possui décimo terceiro nem férias. Além disso, precisa seguir o plantio e cultivo para garantir as sacolas posteriores ao retorno das férias. Por esse motivo o valor acertado com o agricultor deve ser pago durante as férias dos consumidores, garantindo a renda da família durante esse período.

Visitas – O grupo de consumidores visitarão a propriedade uma vez por semestre, esta visita é uma forma dos consumidores conhecerem o local onde o alimento é produzido, assim como conhecer de perto o manejo que é adotado na produção.

Tudo deve ser decidido em conjunto, isso torna importante reuniões para que o grupo se fortaleça, pois, a confiança é o básico para o sucesso do programa.

O Projeto Teia Agroecológica no Colégio Integral:

Agricultores: Cléber e Rosemeire (41- 984412129)

Agrônomo responsável: Raul Matias Cezar (raulmatiascezar@yahoo.com.br 41- 997870929)

Responsável da escola: Coord. Paula Pedroso (paulapedroso@colegiointegral.com.br 41 – 997640018)

Dia de entrega: 6as feiras das 7h40min às 9h40min – depois desse horário as sacolas ficarão no quiosque ao lado do vestiário feminino da piscina. As sacolas que forem esquecidas serão doadas no dia seguinte para que não haja desperdício.

Valor: R$120,00 (Cento e vinte reais) pagamento deve ser realizado diretamente com o agricultor, podendo ser em dinheiro, cartão ou depósito bancário ( Cleber Soares de Oliveira – Caixa Econômica Ag.4341 Cc 00000131401-7 – CPF 009919671-94).

Sacolas: aproximadamente 7 kg, com hortaliças, verduras e legumes da estação. Podendo ter variações conforme a produção e as intempéries climáticas. Com a adesão ao projeto os/as participantes entram no grupo do whatsapp onde são feitas trocas de receitas, informações, ajustes de detalhes com o agricultor e os pedidos dos itens extras vendidos pelo mesmo (morangos orgânicos, pães, queijo, cogumelos, pamonha, entre outros).